APMT - Academia Policial Militar Tiradentes

História

APMT – Academia de Polícia Militar Tiradentes inicia-se em 26 de julho de 1996, através da Lei nº 860/96 foi criado o CFAP (Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças), instalado provisoriamente na ARSE 14, QI-G, Lotes 11-15, Vila dos Deputados, em fevereiro de 1998 , sob o comando do major QOPM David Gomes Pacine.

Diante do crescimento e da necessidade de ampliação, as instalações do CFAP passaram a funcionar, a partir de 15 de março de 2001, na ACSO 01, Conj. 02, Lote 43, sendo também passado o comando ao capitão QOPM Marcelo Falcão Soares. Já o cargo de subcomandante foi ocupado pelo tenente QOPM Edvan de Jesus Silva.

Com o avanço do Estado, as necessidades da população e da corporação cresceram juntas, no entanto foi autorizado no dia 21 de abril de 2002, através do Decreto nº. 1.486, a instalação e o funcionamento da AESP (Academia Estadual de Segurança Pública), instituída pela Lei 1.180, de 13 de outubro de 2000. No dia 6 de junho de 2003 a Unidade mudou-se para a Qd 106 Sul, Alameda 03, Lote 14, como prédio provisório da AESP, passando a uma situação totalmente nova no funcionamento administrativo, visto que as instituições policiais, Civil e Militar, passaram a trabalhar o ensino de forma integrada, embora a estrutura organizacional ainda não regulamentada, funcionando como Departamento Civil e Departamento Militar.

Em janeiro de 2005 o Comando da AESP foi passado do tenente coronel QOPM Lemes para o Major QOPM Ribamar. Sendo que o primeiro foi responsável pela transição do CFAP para a AESP, e o segundo atribuiu-lhe a denominação histórica de APMT. Em 15 de dezembro de 2005 a AESP mudou-se para a Qd 104 Sul, Rua SE - 09, Lote 06, onde atualmente encontra-se sediada. E não mudou apenas de endereço, o Departamento Militar da AESP recebeu a denominação histórica de APMT (Academia de Polícia Militar Tiradentes), por meio da Portaria nº 006/2006-Gab., datada de 23 de fevereiro de 2006 e assinada pelo coronel QOPM Raimundo Bonfim Azevêdo Coêlho, então comandante geral da PMTO.

Turmas

As primeiras turmas formadas pela Academia Estadual de Segurança Pública foram dos Curso de Habilitação de Cabos (CHC), Curso de Habilitação de Sargentos (CHS), Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos (CAS) e o Curso de Habilitação de Oficiais de Administração (CHOA) - o primeiro a ser realizado pela Polícia Militar do Estado do Tocantins. Em 2003 foi criado o Curso de Formação de Oficiais (CFO). O curso tem três anos de duração. Sua primeira turma foi formada em 2006 com 35 cadetes. Até agora a APMT já formou 154 cadetes em quatro turmas e a quinta turma com 43 cadetes está no segundo ano de formação.

A chegada dos novos profissionais, a habilitação e o aperfeiçoamento dos policiais que passam pela APMT, o Curso de Formação de Agentes e Escrivães da Polícia Civil e o Curso de Formação de Oficiais, caracterizam o marco inicial e a efetivação da Academia Estadual de Segurança Pública no Estado do Tocantins.

Bacharelado

O grande desafio da Academia da PM aconteceu em 11 de fevereiro de 2008, com o reconhecimento do Curso de Formação de Oficiais como Bacharelado, pelo Conselho Estadual de Educação. O reconhecimento facilita o acesso dos oficiais a cursos de especialização, possibilitando, ainda, o ingresso dos oficiais como portador de diploma de curso superior em universidades. Os alunos do Curso de Formação de Oficiais, além da formação originária, vão ter a oportunidade de ostentar o título de Bacharéis em Segurança Pública, com o reconhecimento do curso pelo período de 10 anos.

Cursos realizados pela Academia:

Polícia Militar: CFSD (CURSO DE FORMAÇÃO DE SOLDADOS); CHS (CURSO DE HABILITAÇÃO DE CABOS); CHC (CURSO DE HABILITAÇÃO DE SARGENTOS); CHO (CURSO DE HABILITAÇÃO DE OFICIAIS); CFO (CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS); COE (CURSO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS); GIRO (GRUPO DE INTERVENÇÕES RÁPIDAS OSTENSIVAS).

Polícia Civil:  AGENTE;  ESCRIVÃO; PAPILOSCOPISTA; PERITO E MÉDICO LEGISTA.